ZEN - O QUE É SER ZEN?

Zen é o nome japonês de um ramo do Budismo Mahayana, praticado sobretudo na China, Japão, Vietnam e Coréia, alguns autores o consideram à parte do Mahayana, com características próprias.

Uma das escolas budistas mais conhecidas e de maior expansão no Ocidente. Sua prática básica é a meditação Zazen. Há duas vertentes principais: Soto e Rinzai. Enquanto o Soto Zen dá maior ênfase na meditação silenciosa o Rinzai Zen faz amplo uso dos koans.

Origens
O zen tem raízes no budismo indiano, onde era conhecido como dhyana, um termo em sânscito para meditação. Este nome foi transliterado para o chinês como chan (禪); daí para o coreano como seon, e finalmente para o japonês como zen, para os zen budistas trata-se de uma transmissão de mestre a discípulo que remonta a Mahakashyapa, sucessor do Buda histórico, que o havia entendido além das palavras.

De acordo com relatos tradicionais, um monge indiano chamado Bodhidharma trouxe o budismo zen para a China no século V. Mais tarde, no séc XIII, monges japoneses, como Dogen Zenji, estudando na China, o divulgaram até o Japão.

Ser Zen
O Zen é uma técnica. O Zen é uma atitude. O Zen pode até mesmo ser uma filosofia. Não no sentido clássico, mas no sentido vulgar de filosofia de vida, mas essencialmente o zen é budismo, e portanto uma religião.

Ser Zen é adotar uma atitude mental de "não sei", sempre e sobre tudo.

Ser Zen é tentar ver a vida como ela é, sem fantasias e sem pré-disposição ou preconceito. Ser Zen, enfim, é aceitar a vida e a morte como fenômenos que caracterizam uma fase da matéria.

Em tudo que se faz na vida, em todos os lugares, em todos os momentos, pode-se adotar uma atitude Zen de não esperar nada e estar preparado para tudo.

A atitude Zen é fazer uma coisa de cada vez, e fazê-la bem. Se você está dormindo, então durma; se está correndo, então corra; se está escrevendo, então escreva... ou seja, coloque sua mente e seu corpo inteiramente naquilo que está fazendo. E faça uma coisa de cada vez.

O Zen é, também, a arte de fazer sem fazer. É a arte de fazer com que as coisas se façam a si próprias. Para a maioria das pessoas isto é o mais difícil de entender, pois esta atitude não é -- e não aceita -- uma atitude de indiferença, inação, aceitação ou subserviência. Ao contrário, a atitude Zen implica que cada um e todos devem tomar o seu destino -- e o destino dos outros -- em suas próprias mãos. E responsabilizar-se pessoalmente por tudo que acontece.

Como técnica, o Zen está baseado na meditação. E meditar é manter uma mente relaxada, aberta, concentrada mas sem tensão.

A meta final do Zen é a iluminação. A iluminação consiste em tornar-se como um espelho totalmente polido e totalmente limpo: ele reflete com perfeição a realidade. Este estado de perfeita limpeza dos pensamentos e abandono completo de corpo e mente só pode ser reconhecido por um mestre que já o haja atingido anteriormente.

O Zen e as Religiões
O Zen é uma religião e tem muitas das características destas. Entretanto, é comum que as pessoas pensem não o ser, pois o termo vem associado ao Budismo, do qual o zen é uma das mais preeminentes escolas. E o budismo, por suas características não teístas e também alheias ao conceito de uma alma ou espírito, parece a muitos distante das formas normais de religião.

A meditação Zen, ou Zazen, pode ser praticada de forma benéfica por ateus ou por religiosos, pois o Zen beneficia o ser humano, sem distinção, porém a prática do zen, com seus mais profundos objetivos espirituais, está muito além da mera meditação como técnica, baseia-se essencialmente na transmissão da iluminação búdica de mente a mente, e assim está ligada tradicionalmente a relação mestre discípulo.