A DESCRIMINALIZAÇÃO DO ABORTO

Tags

Com a descriminalização do aborto, haveria grandes mudanças em nossa sociedade. Porém é preciso analisar se essas mudanças seriam realmente benéficas ou não.

O modo como a juventude trata sua sexualidade seria alterado. Não temendo as conseqüências de uma gravidez, iniciariam a vida sexual mais prematuramente. Com isso aumentaria também o número de transmissão de DSTs, além de haver um drástico aumento no número de abortos entre os jovens. Isso pode ser enormente prejudicial a eles, já que ainda estão se desenvolvendo, tanto física quanto psicologicamente. Caso não haja nenhuma penalização pela lei, inúmeras mulheres praticarão aborto sem nenhuma justificativa plausível, como estar correndo risco de vida ao prosseguir na gestação.

Além disso, o feto, como qualquer ser humano, também sente dor e medo. Ao ser perseguido por algum objeto introduzido dentro do útero tenta desesperadamente fugir, mas não tem escapatória. Seus movimentos e a aceleração de seu pulso são sinais não só de que está vivo, mas que também tem instinto de sobrevivência.

Uma vida que não pode argumentar ou se defender deve ser defendida pelo estado de direito, já que a vida é um direito inalienável e, numa hierarquia de direitos, deveria estar no topo. Assim, a criminalização do aborto é um instrumento que pode estabelecer o direito à vida como sobreposto aos direitos individuais.