510 ANOS DE HISTÓRIA POSTAL DO BRASIL


BRASIL X PORTUGAL – 510 ANOS DE HISTÓRIA POSTAL E 40 DE LUBRAPEX


JOSÉ LUIZ PERON

O lançamento de um selo na cor verde, com a figura da insígnia brasileira do Cruzeiro do Sul sobreposta à portuguesa Cruz da Ordem de Cristo, pelo Departamento dos Correios e Telégrafos do Brasil, no dia 5 de dezembro de 1966, marcava o início de uma parceria filatélica dos Correios brasileiros e portugueses que, nos últimos 40 anos, vêm estreitando, regularmente, com as Lubrapex – Exposições Filatélicas Luso-Brasileiras, laços cada vez maiores entre colecionadores dos dois lados do Atlântico os quais, além do interesse comum pelos selos, têm na língua, na cultura, na religião e nas relações postais uma afinidade fraternal de mais de cinco séculos.

O INÍCIO
Data já do Descobrimento do Brasil a primeira ligação postal entre a nova e a velha posse lusitana. No sábado, 2 de maio de 1500, quando a esquadra cabralina se preparava para deixar a então “Ilha de Vera Cruz” rumo às Índias, seguia para Portugal o que seria o primeiro navio-correio do Brasil, com as missivas e as amostras do que havia sido recolhido na nova terra. Na naveta de Gaspar de Lemos, iam, entre outras, as mensagens do escrivão Pero Vaz de Caminha e do médico e cosmógrafo da corte lusitana, João Faras (Mestre João), ao rei D. Manuel I – a primeira, de 27 páginas, narrando a viagem de 42 dias, descrevendo a nova terra e seus habitantes, observando as suas potencialidades e recomendando a sua exploração; a segunda, de duas páginas, com as medições náuticas da viagem, a descrição do céu austral e a localização da descoberta – ambas as cartas reencontradas, nos séculos XVIII e XIX, nos arquivos da Torre do Tombo em Lisboa – uma prova cabal de que daqui foram expedidas e de que lá chegaram.

Depois desse marco inicial de história comum de correios, embora não regulares e precários, mais de caráter administrativo que de social e noticioso, esses contatos continuariam por mais de um século e meio, até o estabelecimento de um serviço postal institucional. Por informes oficiais, trazidos e levados pelas expedições de guarda da costa, é que as diversas feitorias litorâneas se comunicavam com o poder central. Foi por carta do rei D. João III, datada de 28 de setembro de 1532 e recebida em final de outubro daquele ano em São Vicente, que Martim Afonso de Sousa foi comunicado da divisão do Brasil em capitanias e da doação de quinhões a ele e a seu irmão, Pero Lopes de Sousa. Também foi por documentos vindos da Metrópole que servidores da Coroa, donatários e colonos tomaram conhecimento da instituição de um novo tipo centralizado de administração, dado o fracasso da colonização por simples doação ou arrendamento de terras.

Com a chegada dos doutos jesuítas no Governo-Geral, em 1549, intensificaram-se as missivas para o Reino, para a sede da Companhia de Jesus e entre os próprios religiosos espalhados pela Colônia. Numa carta datada de 1549, o superior dos jesuítas, Pe. Manuel da Nóbrega, escrevia a respeito da catequese dos índios: "Trabalhamos de saber a língua deles, e nisto o Padre Navarro nos leva vantagem a todos. Temos determinado de ir viver às aldeias, quando estivermos mais assentados e seguros e aprender com eles a língua e ir-lhes doutrinando pouco a pouco. Foi graças a uma solicitação do mesmo Pe. Manuel de Nóbrega, em sua correspondência às autoridades de Portugal, que chegam do Reino, em 1551, as primeiras moças brancas “casadoiras”, para ajudar a Igreja a tentar diminuir o “pecaminoso” amancebamento dos colonos com as mulheres da terra. As primeiras comunicações de que se tem registro em São Paulo foram as cartas dos jesuítas. É por meio da sua leitura que sabemos que o Pe. Anchieta se lamentava de aparecer em São Vicente apenas um navio em cada ano, quando aparecia, ficando ele sem novas do mundo e sem vinho para as missas. Também graças às cartas de religiosos como o irmão Pedro Correia e o Pe. Brás Lourenço é que se sabe a quanto montavam as dificuldades de comunicação entre as pequenas comunidades brasílicas perdidas nas imensidões das terras longínquas e desabitadas do primeiro século de colonização.

SERVIÇOS POSTAIS OFICIAIS
O serviço postal oficial, que só se iniciou em Portugal depois dos descobrimentos e conquistas lusíadas no Oriente e no Ocidente, com uma concessão de correio-mor a Luís Homem, por Carta Régia, de 6 de novembro de 1520, contemplaria o Brasil apenas na segunda metade do século XVI. As raízes da instituição do serviço postal oficializado, não propriamente em nossas terras, mas para até o Brasil, viriam com o Regimento Real de 25 de janeiro de 1663, que estendeu até aqui a jurisdição hereditária do então correio-mor de Portugal, Luís Gomes da Matta Neto, no transporte de correspondência entre os dois territórios.

Embora o novo serviço não lograsse penetrar no interior da Colônia por uma série de óbices, que não cabe aqui discutir, o correio marítimo respondeu, ainda que com dificuldades e falta de eficiência, por mais de um século, às necessidades de comunicação através do Atlântico. Tão importante era esse serviço do correio transoceânico, que havia regulamentos rígidos para a sua execução, como o de que a correspondência deveria vir em sacos fechados e lacrados pelos seus assistentes, com rótulos feitos pelos mestres das embarcações. Existia uma grande preocupação por parte das autoridades de ambos os lados do Atlântico para que a correspondência transportada jamais caísse em mãos inimigas. Um episódio ocorrido no início de 1712 ilustra bem os procedimentos em tal situação. Localizada uma embarcação pirata na costa da Bahia, um aviso foi então comunicado ao navio “São Tomé e Cabo Verde” que deveria zarpar da Bahia para Lisboa em 4 de janeiro. Ao capitão e mestre do navio foi entregue uma ordem de como proceder em caso de confronto com a embarcação inimiga. Em caso de iminente aprisionamento do navio, o "saco das cartas que vai para Sua Majestade" deveria ser lançado ao mar amarrado com um peso; do mesmo modo, as cartas que estivessem a bordo, segundo o procedimento normal adotado em tal situação.

No final do século XVII, com o aumento do intercâmbio de pessoas e produtos entre Portugal e Brasil, impulsionado pela administração pombalina, cada vez mais se constatava a incapacidade de os Correios das Cartas do Mar atenderem às necessidades crescentes do movimento de cartas e encomendas entre os dois mundos. O Vice-Rei do Brasil, D. José Luís de Castro, Conde de Resende, em correspondência de 14 de fevereiro de 1796, propunha ao príncipe regente, D. João, a melhoria do transporte de correspondências intercontinental, reivindicando a administração oficial dos Correios das Cartas, mediante o estabelecimento de um serviço postal público, extinguindo o ofício de correio-mor.

Depois da nomeação do Conde de Linhares, D. Rodrigo de Sousa Coutinho, para o cargo de Ministro de Estado de Marinha e Ultramar, em 7 de setembro do mesmo ano, seriam ultimadas as providências para reversão à Coroa da administração dos serviços postais. Depois de sua posse, em 11 de setembro, logo no dia 27 do mesmo mês, o ministro expediu um ofício-circular a todos os governadores das colônias para que informassem àquele Ministério o que poderiam fazer para o estabelecimento de um correio com o Reino e os outros domínios ultramarinos. Em 17 de outubro foi comunicado ao então correio-mor, José da Maternidade de Sousa Coutinho, que o ofício seria reincorporado à Coroa portuguesa. Com a anuência do príncipe regente, o ministro Coutinho levou a efeito as negociações, que foram relativamente fáceis, indenizando regiamente o então último detentor hereditário daquele ofício e retomando o serviço de correios.

EXTINÇÃO DO CORREIO-MOR E REORGANIZAÇÃO DOS CORREIOS PORTUGUESES
Iniciou-se, então, a partir do Alvará de 16 de março de 1797, de extinção do Correio-Mor, o processo de reorganização dos Correios portugueses e ultramarinos sob a égide do Estado. Estabelecido o serviço de Correio Marítimo, uma provisão régia do Conselho do Almirantado, assinada por Sousa Coutinho, de 24 de março, para o capitão-general e governador da capitania da Bahia, D. Fernando José de Portugal e Castro, ordenava a construção, no mais breve espaço possível, de duas embarcações para serem utilizadas como paquetes postais.

Carta do governador da Bahia, de 4 de julho do mesmo ano, ao Conselho do Almirantado, comunicava a execução dos serviços da construção dos dois navios do Correio Marítimo e solicitava materiais para apetrechá-los. O primeiro dos brigues construídos na Bahia, o "Postilhão da América", foi lançado ao mar em 5 de dezembro de 1797. O navio postal, como todos os veleiros que singravam o Atlântico Sul, várias vezes seria vítima da perseguição de corsários, mas conseguiu sempre manter a correspondência a salvo. Sua vida útil seria relativamente efêmera, pois, com 3 anos de serviço, naufragaria em frente ao porto da Bahia. O segundo, que só ficaria pronto depois, seria a sumaca-bergantim “Minerva”.

No final do ano de 1797, o governador D. Fernando José expôs ao ministro D. Rodrigo de Sousa Coutinho, por ofício de 23 de dezembro, a maneira como poderia ser introduzido o serviço postal entre a Capitania da Bahia, Portugal e o Ultramar. Concordou com o correio marítimo que estava sendo planejado, afirmando que o mesmo seria complementado com os meios de transportes que naquele momento eram utilizados na travessia do oceano. Acrescentou que o novo correio iria necessitar de uma pessoa para preparar as malas postais e levá-las aos navios, bem como relacionar as correspondências recebidas para distribuição aos destinatários. Dois ajudantes ou escreventes com ordenados convenientes deveriam ser contratados. Quanto aos resultados para o Erário, estimava a renda líquida desse serviço em três ou quatro mil cruzados anuais. O público seria informado por Edital das saídas das embarcações. Sugeriu, ainda, que o porte das cartas vindas de Portugal fosse de 20 réis, por carta regular. A mesma taxa que se pagava para as destinadas ao Reino. Aquelas de outros domínios de ultramar para a capitania também deveriam pagar o mesmo porte. Ainda descreve no documento como se procedia à distribuição da mala do Reino, na Bahia: fundeado o navio, seguiam os sacos trazidos pelo capitão imediatamente para o palácio, onde o ajudante, chamado oficial das cartas, de uma janela as ia passando de graça aos destinatários que, à notícia de chegada da embarcação, já para lá acorriam. Das não reclamadas expunha uma lista, recebendo 20 réis de cada uma.

Essa distribuição das cartas diferia do modo de como era feito no Rio de Janeiro. A correspondência saía de Lisboa num saco confiado ao capitão e guardado pelo despenseiro. Ao aportar o navio na capital do Vice-Reino, o capitão separava as cartas pertencentes a pessoas conhecidas, empacotava-as e as repunha no saco, que era levado para terra pelo patrão-mor. Entregavam-se as cartas do pacote ao destinatário de uma delas, que se incumbia de reparti-las. As outras ficavam à disposição dos donos na casa do correio-mor.

Ainda em 1797, foram comprados os seguintes navios, para o Correio Marítimo, em Lisboa: “Olinda” ou “Santo Antônio Olinda”, “Príncipe Real” e “Albacora”, além de incorporados os bergantins “Netuno” e “Gavião” que, desde 1795 e 1796, respectivamente, serviam ao extinto serviço do Correio-Mor das Cartas do Mar.

PRIMEIRO REGULAMENTO POSTAL PARA O BRASIL
O Alvará de 20 de Janeiro de 1798, de criação do Correio do Mar, só foi assinado por D. João em 26 de fevereiro, quando então, para evitar maiores atrasos na sua execução, D. Rodrigo resolveu mandar complementá-lo com as “Instruções”, que explicitavam as disposições contidas naquele diploma e que seguiram manuscritas junto com o “Alvará” impresso para todas as colônias, onde seriam executadas na parte em que fossem aplicáveis. Eram a “Instrução para os Correios do Reino do modo como hão de haver-se com as cartas para o Brasil e Ilhas, depois de estabelecidos os Paquetes Marítimos; e sistema de arrecadação de fazenda, enquanto o Correio estiver por conta do Correio-Mor”, a “Instrução para os Correios da América” – que pode ser considerado o primeiro regulamento postal para o Brasil – a “Instrução para os Comandantes dos Paquetes”, a “Instrução para a remessa de encomendas pelos Paquetes Marítimos” e, finalmente, a “Instrução para as Juntas de Fazenda dos Estados do Brasil sobre Correios”, todas elas datadas de 26 de fevereiro de 1798 e assinadas pelo Secretário do Reino, João Filipe da Fonseca.

ESTABELECIMENTO DE AGÊNCIAS DE CORREIOS
Criado o Correio estatal de Portugal e assinado o alvará que estabelecia o Correio Marítimo para o Brasil, os navios especiais providenciados no ano anterior executariam esse serviço, realizando viagens bimestrais, com o roteiro programado no referido documento. O artigo 1º das “Instruções para os Correios da América” determinava que nas cidades e vilas capitais de Capitanias deveriam ser estabelecidas agências de Correios com dois funcionários, um, o administrador, e o outro, assistente.

Os administradores deveriam ser, segundo o artigo 4º, “pessoas de notória honra e verdade, e tais que, pelos seus louváveis costumes, tenham merecido a confiança pública; eles, além disso, serão pessoas abonadas e bem estabelecidas”. As agências dos Correios seriam organizadas nas residências dos administradores, nas principais cidades e vilas. Conforme o artigo 69, “o Administrador destinará no edifício de sua morada uma sala, ou quarto, que tenha proximidade à rua; nesta sala estabelecerá o Laboratório do Correio; por isso é necessário que seja uma casa independente das demais e que deve estar fechada nas horas vagas”. O custo relativo ao transporte da correspondência deveria ser pago pelo destinatário, quando de sua retirada na agência. A taxa, estabelecida pelas Juntas da Fazenda das Capitanias, de acordo com o peso e as distâncias, seria lançada na face principal da carta pelo administrador da agência de origem.

NASCE A CARIMBOLOGIA POSTAL LUSO-BRASILEIRA
O que se poderia chamar de “registro de nascimento” da carimbologia postal luso-brasileira é a execução do que diz respeito ao artigo 15 das “Instruções para o Correio do Reino”, onde está estipulado que: “As cartas serão marcadas, a marca será o nome da terra em cujo correio forem lançadas.”. Igualmente, no artigo 17 das “Instruções para o Correio da América”, ordenava: “Nas épocas respectivas, aprontarão as cartas para o Reino e as marcarão com a marca do nome da terra em cujo correio forem lançadas...”. São estas as razões porque é a partir de 1798 e não devido às “Instruções Práticas” de 1799, é que começaram a surgir as primeiras marcas postais em Portugal, Brasil e Ilhas dos Açores e da Madeira. Assim, além da taxa, outra característica da correspondência, nessa época, era a aplicação, na mesma face do invólucro da carta, de um carimbo indicador da localidade de origem, de acordo com o estipulado no artigo 17 das “Instruções”. Desde então, até a Reforma Postal de 1843, no Brasil, com o aparecimento do selo postal adesivo nas cartas, seriam conhecidos mais de 150 carimbos com nomes de vilas e cidades, indicadores de origem de postagem de cartas. Outra questão também muito importante é o artigo 2º das “Instruções para o Correio do Reino”, que determinou a regra de se colocarem nos sobrescritos das cartas o “nome do navio” que as levaria ao seu destino. São também interessantes os artigos 12 e 13 das “Instruções para o Correio da América”, que explicam como eram elaboradas as “listas” para a distribuição da correspondência, bem como o 24, que previa a entrega domiciliária das cartas não reclamadas. Esta forma de entrega da correspondência poderia ser também uma opção para os destinatários, “carregando-lhe sobre o porte o estipêndio devido ao condutor que sempre deverá ser moderado”. O artigo 21 das “Instruções para os Correios da América” criou o serviço de “cartas seguras”, uma modalidade de registro.

AS PRIMEIRAS ROTAS ORGANIZADAS DE CORREIOS
A partir de 1º de março, foi estabelecida a linha de paquetes para realizar o serviço de correio transatlântico. Duas embarcações estavam destinadas a essas viagens: uma para o porto de Açu, que levava e trazia as cartas das capitais de Pernambuco, Paraíba do Norte, Maranhão, Piauí e Pará, chegando até o porto de Salinas (hoje Salinópolis – PA), donde regressava a Portugal; outra demandava a Bahia e o Rio de Janeiro, antes de retornar ao Reino, passando de novo pela Bahia. Estavam previstas estadias de quinze dias em Salinas e no Rio de Janeiro, para reparo das embarcações, antes de regressar. Em cada capitania, as autoridades deveriam providenciar a chegada das correspondências aos portos de mar, de maneira eficiente, nas datas de estadia dos navios para que pudessem ser expedidas. A infra-estrutura em terra deveria ser a mais econômica possível, para o funcionamento dos serviços, com pessoal provisório, sujeito à aprovação das autoridades encarregadas do serviço postal.

Foi estipulado o preço a ser pago pelas cartas a serem encaminhadas por esse Correio marítimo: oitenta réis, em média, por carta de até quatro oitavas; cento e vinte réis, pelas de seis a oito oitavas; para as que passassem desse peso, cento e sessenta réis por onça; maços e papéis pagariam cento e sessenta réis por onça de peso. A oitava – referência de peso para as cartas – era a oitava parte da onça (onça = 28,691 g; oitava = 3,586 g), unidade de peso oficial no Império Português (em Portugal, até 1852, e, no Brasil, até 1862, quando da introdução do sistema métrico decimal).

Navios mercantes e vasos de guerra portugueses poderiam também, além dos postais, conduzir correspondências entre Portugal e Brasil, sujeitos ao mesmo porte das naus-correios, mas somente em malas fechadas para o Correio do porto de destino. Os capitães e mestres dos navios mercantes deveriam informar o Correio de Terra as suas partidas, com 15 dias de antecedência, para que aquele informasse o público a respeito e tivesse as malas prontas para o embarque na data aprazada. Ao receber as malas, o capitão ou mestre passaria dois recibos ou conhecimentos: um para ficar com o Correio de origem; o outro para acompanhar a mala postal e ser entregue no Correio de destino. Tão logo o navio chegasse ao porto, após a visita dos agentes aduaneiros, o capitão ou mestre deveria providenciar a entrega das malas ao Correio e recolher um comprovante dessa entrega. Os responsáveis por embarcações mercantes que zarpassem sem levar as malas coletadas pelo Correio de Terra ou que conduzissem cartas fora das malas estariam sujeitos às “penas (...) reservadas ao Meu Real Arbítrio”. À mesma pena estava sujeito o particular apanhado levando carta de um para o outro continente.

O porte das cartas no Reino e nas ilhas da Madeira e Açores ¬– que foram enormemente beneficiadas como pontos de escala do Correio Marítimo – pagaria a metade do preço das destinadas ao Brasil, com exceção das enviadas por navios mercantes em escalas nas ilhas, que teriam a mesma tarifa das oriundas da América. O preço pago pelas cartas vindas do interior no seu trajeto para os portos brasileiros seria estabelecido pelas Juntas da Fazenda, ad referendum das autoridades metropolitanas.

Em Pernambuco, do mesmo modo que na Bahia, foram construídos, no arsenal da capitania, dois outros brigues para a mesma finalidade de prover o Correio Marítimo entre o Reino e a Colônia, conforme ofício de 20 de março de 1798. Foram, provavelmente, o “São José Espadarte” e o ”Paquete Real” ou “Santo Antônio Paquete Real”.

Os serviços por mar aos poucos foram entrosados com os dos Correios de terra, criados em 26 de fevereiro de 1798, que se destinavam à distribuição do correio nas cidades e vilas do interior. Em 24 de abril desse mesmo ano, foi criada no Brasil a Administração do Correio, autorizada a funcionar nos baixos do edifício do Largo do Carmo (hoje Praça XV de Novembro), o Palácio dos Vice-Reis, depois Paço Imperial, anexo ao Tribunal de Alçada e à Casa da Moeda. Para administrador no Brasil foi nomeado Antônio Rodrigues da Silva; para escrivão, Caetano Luís de Araújo; para ajudante, Manoel Teodoro da Silva; e para fiel de balança, Manoel Nunes de Montes. Era de uma das janelas do andar térreo, de onde funcionaria a administração, que passou a ser feito o pregão das cartas chegadas, para conhecimento dos destinatários. Os trabalhos na Administração Central começaram uma semana depois, no dia 2 de maio.

O governador da capitania de Pernambuco, D. Tomás José de Melo, escreveu a D. Fernando José, em 4 de maio do mesmo ano, não concordando com que as correspondências de Pernambuco fossem remetidas para Açu (RN), mencionando outros portos para a rota dos navios, para recolher essas cartas. Ficou acertado, depois disso, que no futuro os paquetes viriam diretamente para o porto da Paraíba, a fim de melhor servir a Pernambuco, para, em seguida, voltar pelos portos do Norte.

Pelo que se depreende de um ofício de 6 de maio, do governador e capitão-general do Maranhão e Piauí, D. Antônio Fernando de Noronha, para a Secretaria de Estado da Marinha e Ultramar, os navios do Correio Marítimo seriam também utilizados para envio de amostras de produtos comercializados, como arroz e algodão, e, também, de carga, quando houvesse disponibilidade nas embarcações.

A Portaria de 7 de agosto de 1798, adicional ao “Alvará de Janeiro”, determinava “que toda a pessoa que passar dos portos deste reino para o Estado do Brasil, Índia e Ilhas, ou voltar dali para Portugal possa conduzir cartas, levando-as primeiramente ao Correio para serem mandadas, e pagando antecipadamente o seu porte; o que se faz público pela Repartição do Correio desta Corte da ordem de S. M. para que chegue à notícia de todos". Era um ajustamento à realidade do transporte de cartas fora da mala oficial; assim qualquer pessoa, passageiro ou habitante de uma das cidades, portos de escala ou terminal, poderia continuar a recorrer ao capitão, ao mestre ou a qualquer tripulante ou passageiro do navio, para lhe transportar carta ou cartas, contanto que no porto de destino se dirigisse aos Correios e pagasse o porte correspondente, o que facilitava de sobremaneira o envio de cartas de última hora, sem condições de tempo para serem encaminhadas nas malas de Correio, Era a chamada correspondência de última hora, aquela que, em princípio, à sua recepção nos Correios de Lisboa, no caso do seu envio para a Capital, ou para a cidade do Porto, receberia o célebre e raríssimo carimbo ou marca “CORº MARITIMO”.

No ano de 1798, foram adquiridos os seguintes paquetes para execução do Correio Marítimo: “Faetonte”, “Lebre”, “Vigilante” e “Voador”.

REGULAMENTO PROVISIONAL REORGANIZA O SERVIÇO DE TERRA E MAR DOS CORREIOS
No dia 1º de abril de 1799 foi baixado o “Regulamento Provisional para o Novo Estabelecimento do Correio” e nomeado Luís Pinto de Sousa para Diretor dos Correios de Portugal, Brasil, Possessões e Domínios, para implantar a nova organização para a Administração das Postas, Correios e Diligências de Terra e Mar, à qual passava a pertencer, sob essa denominação, o Correio de Portugal. O novo Regulamento Provisional, além de reorganizar o serviço de terra e mar dos Correios, passava-o da jurisdição do Ministério da Marinha à responsabilidade da Repartição dos Negócios Estrangeiros. Os serviços foram distribuídos por três seções: uma para as Cartas do Reino, outra para o Seguro (registrados) e a última para as Cartas do Ultramar e Estrangeiro (do exterior). Também foram introduzidas várias melhorias: regulamentaram-se as taxas postais, expediram-se instruções e estabeleceram-se penalidades para as contravenções. A administração de então era constituída de um diretor, três administradores e um guarda-livros.

O superintendente-geral, Dr. José Diogo Mascarenhas Neto, redigiu e publicou, em 6 de junho desse ano, as “Instruções Práticas para os Correios Assistentes”, e teve início em 18 de junho a taxação das cartas e demais objetos postais, já dentro das novas normas de funcionamento dos Correios.

Ainda no ano de 1799, foi construído, no Pará, nos estaleiros de Salinas, onde os navios da linha norte do Correio Marítimo faziam estadia para reparos, o paquete “Espadarte”, depois denominado “Espadarte Brilhante”, para o serviço postal intercontinental.

Documento do Arquivo Central da Marinha, de 7 de junho de 1800, demonstra bem a preocupação e o esforço que eram necessários para se conseguir um serviço de transporte de cartas com uma segurança que nunca poderia ser dada pelo transporte em navios mercantes. Mas, não obstante todas as precauções tomadas, a maior parte dos paquetes do Correio Marítimo tiveram vida curta, em média dois ou três anos; os que não foram vítimas dos traiçoeiros acidentes das vastas costas brasileiras acabaram afundados em ações conduzidas por inúmeros salteadores, piratas e corsários, que infestavam os mares de então. Navios que durariam no serviço postal por mais de dez anos, como o “Gavião”, o “Vigilante” e o “Boaventura” ou “São Boaventura” seriam felizes exceções. Por isso não é de se estranhar que, embora ainda incipiente, de 1798 a 1803, o Correio Marítimo, entre Portugal e Brasil, já havia utilizado, até então, 16 navios postais em seu serviço: “Vigilante”, “Príncipe Real”, “Faetonte”, “Albacora”, “Voador”, “Postilhão da América”, “Gavião”, “Netuno”, “São José Espadarte”, “Paquete Real”, “Espadarte Brilhante”, “Lebre”, “Santo Antônio Olinda”, “Caçador”, “Diligente” e “Boaventura”.

Decreto de 8 de abril de 1805, assinado pelo Príncipe D. João e publicado em 20 de abril, instituiu a “Nova Regulamentação do Correio”, determinando, entre outras providências, que os preços das cartas provenientes do ultramar continuassem cobrados conforme determinado no alvará de criação dos Correios Marítimos e que as tarifas do Correio de Terra levassem em consideração não só o peso, como também a distância percorrida para a entrega. Cartas pesando até 2 oitavas pagariam 20 réis para um percurso de até 10 léguas; mais 5 réis para cada trecho de 10 léguas ou fração. Cartas de até quatro oitavas, 30 réis para as primeiras 10 léguas; mais 10 réis eram adicionados a cada 2 oitavas de peso, para cada trecho de 10 léguas ou fração. Os portes eram fixados pelas Juntas Administrativas de cada Capitania, levando em consideração esses parâmetros. As cartas das autoridades públicas estavam isentas de porte e deviam ser rubricadas pelo remetente. As para o Reino eram enviadas sem pagamento de porte. As que viessem de Portugal eram tratadas como determinava o mesmo Regimento. As seguras (registradas) pagavam 480 réis, além do que era cobrado de acordo com seu peso.

CRISE NA EUROPA E VINDA DA FAMÍLIA REAL PORTUGUESA PARA O BRASIL
Os acontecimentos que fizeram com que as “guerras napoleônicas” chegassem a Portugal e culminassem com a ocupação do país por franceses e espanhóis e a conseqüente transferência da família real e da administração do orbe lusitano para o Brasil, no final de 1807, embora ainda que não num primeiro momento, foi um fator de grande importância para estreitar mais ainda os laços entre os de lá e os de cá do Atlântico.

A administração de Portugal pelas tropas invasoras francesas por cerca de cinco anos (1807-1811) fez com que o Correio Marítimo, que teve todos os seus navios disponíveis ocupados no translado de nobres, autoridades, administradores e seus familiares para o Brasil, quase parasse, não fosse o contato com as Ilhas (Madeira e Açores) então monitoradas pelos ingleses aliados do príncipe D. João.

Pela Decisão nº 12, de 8 de março de 1808, que tentava estabelecer os Correios da Colônia em moldes metropolitanos, o porte postal era cobrado tendo-se em conta o peso de quatro oitavas (de onça) para cada carta, ou papéis fechados como cartas. A segunda fração do porte era de duas oitavas, sujeitas ao pagamento das taxas pela metade. Não havia taxa fixa. Ela variava, conforme a distância dos pontos entre os quais devia transitar a correspondência. As gazetas e outros impressos, em invólucro de papel, de modo a se reconhecer a sua natureza, pagavam meio porte.

Com o objetivo de manter suas comunicações com os portugueses, ato do Parlamento inglês, de 30 de junho de 1808, regulamentava o transporte de cartas para a sede da monarquia lusitana na América. As relações da Inglaterra com Portugal foram transferidas para o Rio de Janeiro, sendo nomeado o Visconde de Strangford para o cargo de Enviado Extraordinário e Ministro Plenipotenciário Britânico na Corte do Rio de Janeiro, aonde chegou em julho, estabelecendo, no mesmo mês, uma comunicação que levaria correspondência do porto de Falmouth para a Ilha da Madeira, Pernambuco, Bahia e Rio de Janeiro. O serviço foi inaugurado pelo navio “Walsingham”, que partiu de Falmouth em 14 de julho, sob o comando do Capitão Roberts. Com isso, esse serviço de correio marítimo do Brasil substituía, em parte, o antigo serviço de de Lisboa, temporariamente suspenso para o continente e prejudicado na Madeira e nos Açores. Inicialmente o porte era de 2 xelins e 5 pence por carta.

Restabelecido em parte, com a ajuda da Inglaterra, o Correio marítimo para a Europa funcionava dentro do possível, levando-se em consideração a situação de beligerância do continente e a ocupação militar de Portugal, em relação aos países que não participavam do “Bloqueio Continental“ francês.

A chegada do príncipe D. João, para governar seu império a partir do Brasil, forçou também, entre outras providências, uma ampla reorganização dos Correios daqui que, até então, estavam mais bem preparados para trocar cartas com o exterior do que para a movimentação interna da correspondência. O desenvolvimento do comércio, com a quebra do monopólio português dos portos brasileiros, e os assuntos da Coroa na administração interna necessitavam de um eficiente serviço para a sua comunicação de ordens e expedientes e as trocas de mensagens, entre os diversos setores administrativos. Coube ao Marquês de Aguiar, D. Fernando José de Portugal e Castro (Vice-Rei, de 1801 a 1806), então Secretário dos Negócios do Reino, a responsabilidade de reformular e reaparelhar o Correio já existente, o que fez pela Decisão do Reino nº 53, de 22 de novembro, que aprovou o Regulamento Provisional da Administração Geral dos Correios da Coroa e Província do Rio de Janeiro. Dirigido a Manoel Teodoro da Silva, administrador dos Correios da Cidade, o Regulamento ditava normas de trabalho, inclusive horário a que deviam obedecer os empregados, nas seções, e regras para o “recebimento e expedição da correspondência das pessoas da Cidade e às Capitanias”. Essa decisão régia é considerada, com muita propriedade, o primeiro regulamento postal genuinamente do Brasil, tendo em vista ser o primeiro elaborado aqui, para uma administração que passou a assumir características de correio metropolitano.

A crise em Portugal e na Europa já gerava novas migrações. O Brasil, antes vedado a estrangeiros, agora acolhia também diplomatas, artesãos e comerciantes ingleses, franceses, alemães, suíços, dinamarqueses, italianos, holandeses, espanhóis, escoceses, irlandeses, suecos e norte-americanos, além dos portugueses que conseguiam fugir do território pátrio ocupado. Com o afluxo de alienígenas, o tráfego postal com o exterior aumentava.

ACORDO POSTAL COM A INGLATERRA
Em 26 de fevereiro de 1810, era assinada, no Rio de Janeiro, a convenção postal que ratificava o acordo com a Inglaterra, de 19 de fevereiro desse ano, dentro do Tratado de Comércio e Navegação, estabelecendo o intercâmbio de correspondências por meio de paquetes, nas mesmas condições em que era feito anteriormente com Portugal, e confirmando também a ligação mensal de Falmouth com o Rio de Janeiro. A convenção estabelecia que devia partir daquele porto britânico para o Rio de Janeiro um paquete por mês. Portugal teria direito, no futuro, de colocar navios entre outros portos do Brasil e a Grã Bretanha, se o movimento comercial assim o exigisse. A rota a ser seguida era Falmouth, Madeira (somente para a entrega e o recebimento das malas postais) e Rio de Janeiro. Inicialmente as embarcações utilizadas seriam unicamente britânicas. No futuro, poderiam ser usados paquetes portugueses e brasileiros. Pela convenção, os paquetes eram considerados e tratados como navios mercantes. As cartas transportadas pelos navios ingleses de acordo com a convenção e sob contrato com as autoridades britânicas eram denominadas packet letters, para as quais foi confirmado o preço anteriormente estipulado de 2 xelins e 5 pence por carta. Aquelas transportadas eventualmente por outros navios mercantes sem contrato postal eram chamadas ship letters, para as quais o preço, no porte mais simples, era de 3 xelins e 8 pence.

Nos anos heróicos de 1807 a 1812, quando praticamente chegou a entrar em colapso, o Correio Marítimo português contou principalmente com os seguintes navios: ”Vigilante”, “Boaventura”, “Gavião”, “Destemido”, “Mercúrio” e “Atrevido”.

OS CORREIOS DO REINO UNIDO À INDEPENDÊNCIA
Durante a realização do Congresso de Viena de 1815, que procurou consertar os estragos causados pelas guerras do imperialismo francês de Napoleão Bonaparte, refazendo o mapa do Velho Mundo e restabelecendo as cabeças coroadas nos tronos europeus, no dia 16 de dezembro daquele ano, o Brasil foi elevado à categoria de Reino Unido a Portugal e Algarves, o que representou para a antiga colônia um reconhecimento à condição de sede do governo e centro de decisões políticas, dada a presença da Corte no Rio.

Movimentos absolutistas, inspirados pela política reacionária da Santa Aliança, e liberais, reflexos indeléveis ainda da Revolução Francesa, assim como a Europa, agitavam Portugal, já uma década livre da ocupação francesa das tropas de Junot e recém-liberto da tutela sufocante inglesa da ditadura de Beresford, e também o Brasil, com movimentos separatistas ensangüentando Pernambuco e a Cisplatina.

A D. João VI – que foi obrigado a regressar a Portugal, em dia 24 de abril de 1821, impelido pelas circunstâncias políticas que lá e aqui se desenrolavam como desdobramentos da “Revolução Constitucionalista do Porto” de 1820 – muito deveu o Correio brasileiro em sua evolução. É dele, inclusive, a máxima que sempre repetia quando se lhe oferecia uma oportunidade: “O Correio é para servir o bem público e não somente aumentar o Erário Régio”.

Pouco mais de um ano depois, sentindo não mais poder contemporizar as tentativas recolonialistas das Cortes de Lisboa de desautorizar a sua administração com as aspirações libertárias que aqui há muito floresciam, o príncipe D. Pedro, que D. João VI aqui deixara como regente, acabaria por tomar a decisão histórica de romper os laços políticos entre Brasil e Portugal, com o célebre “Grito do lpiranga”, em 7 de setembro de 1822.

Da elevação do Brasil a Reino Unido a Portugal e Algarves até a Independência, o Correio Marítimo entre a antiga metrópole e a ex-colônia contou, entre outros, com os seguintes paquetes postais: “Atrevido”, “Falcão”, “Glória”, “Leopoldina”, “Constância”, “Treze de Maio”, “Estrela”, “Infante São Sebastião”, “Ninfa”, “Correio do Pará” e “Princesa Real”.

Com intermediação da diplomacia britânica e mediante o pagamento de uma indenização de £ 2.000.000 (dois milhões de libras esterlinas), por tratado assinado em 29 de agosto de 1825, Portugal reconheceu oficialmente a independência política do Brasil.

FIM DO CORREIO MARÍTIMO LUSO-BRASILEIRO
Sob o aspecto postal, foi somente a partir da edição do decreto português de 19 de julho de 1828, de reestruturação dos Correios lusitanos, que o Brasil passou a ter por parte das autoridades de lá tratamento diferenciado como país estrangeiro, originando a aposição, em Lisboa, pela administração local, na correspondência oriunda do Brasil, quando transportada em navios estrangeiros, do carimbo “C. Est. De N.”, “Carta Estrangeira de Navio”. Pelo mesmo decreto foram majoradas as tarifas postais das cartas vindas do Brasil e das para lá destinadas, para 160 réis, para o 1º porte de quatro oitavas de onça. A partir dessa data, terminava oficialmente o serviço do Correio Marítimo entre Portugal e Brasil, transporte iniciado em 1798, e quase interrompido durante a ocupação franco-espanhola do território lusíada. Ainda faziam essa travessia em 1828 os seguintes navios: “Glória”, “Constância”, “Treze de Maio”, “Estrela”, “Infante São Sebastião”, ”Conceição” e “Nossa Senhora do Bom Despacho” – muitos dos quais continuariam no tráfego postal de Portugal para as suas colônias da África e da Ásia, depois dessa data.

Já nessa época, os navios mercantes de quaisquer nacionalidades, principalmente ingleses, além dos postais regulares britânicos, é que faziam o grosso dos transportes de correspondências entre a antiga metrópole européia e a ex-colônia americana.

REGULAMENTOS POSTAIS BRASILEIROS E ACORDOS COM PORTUGAL
Quase ao final do seu reinado, pelo “Regulamento do Correio do Brasil”, de 5 de março de 1829, D. Pedro I decretou a reorganização do Correio no Brasil, criando a “Administração dos Correios”, subordinada à Secretaria de Estado dos Negócios do Império. A partir daí é que o Brasil passou a ter um regulamento só seu, independente de qualquer outro feito também para Portugal. E a Convenção Adicional ao Tratado de 29 de agosto de 1829, celebrada com a antiga metrópole já não dava margens a dúvidas da distinção já existente entre os dois Correios nacionais.

Aqui, o Decreto nº 265, de 11 de janeiro de 1843, referendava a Convenção entre o Brasil e Portugal, assinada em 22 de julho de 1842, relativa ao ajuste de contas pendentes entre as duas nações, em conformidade com a Convenção Adicional de 1829.

Ao ser introduzido o selo postal no Brasil, em 1º de agosto de 1843, com o pagamento prévio da tarifa postal, as cartas de além-mar continuariam a seguir ainda o costume anterior do pagamento no destino, ou outro acertado com o remetente, ou ainda passariam a obedecer a acordos postais bilaterais que seriam feitos nas décadas seguintes. Em 21 de novembro desse ano, no novo acordo postal entre Brasil e Portugal, permanecia o preço básico das cartas de até quatro oitavas, entre os dois países, de 160 réis.

Na metade do século XIX, as linhas de correios do Atlântico Sul continuavam operadas paralelamente por navios mercantes e paquetes transatlânticos. Os paquetes transatlânticos, usados para o transporte de correspondências, podiam ser subsidiados ou não-subsidiados. Os subsidiados recebiam ajuda do governo a que pertenciam. Os Correios recebiam um abono pelas malas de correspondências transportadas, e as tabelas de portes eram fixadas por convenções ou acordos postais. Os não-subsidiados não recebiam ajuda do governo e não cobravam dos Correios pela correspondência transportada, tendo como compensação a redução nas tarifas de tonelagem pagas nos portos. As tabelas dos portes eram fixadas pelos Correios.

De 13 de janeiro de 1851 até setembro de 1858, o preço das cartas para Portugal, por paquetes subsidiados, até uma oitava foi fixado em 120 réis.

Um carimbo circular “P. TRANSATLANTICO” usado nas cartas do Brasil para Portugal e até para outros países, via Portugal, a partir de 1852, passou a ser aplicado na chegada, em cores diferentes, de acordo com as companhias transportadoras.

Até 30 de junho de 1853, nas cartas oriundas do Brasil e endereçadas para outras cidades portuguesas a partir de Lisboa, era acrescentado o porte territorial devido à administração postal de destino. Aquele porte era geralmente escrito a mão ou aposto por meio de carimbo embaixo do valor da taxa de porte marítimo paga à administração central dos Correios, sendo a soma o total a pagar pelo destinatário.

De 1853 até agosto de 1861, o preço de cartas até Portugal, por paquetes transatlânticos não-subsidiados era de 80 réis, para o peso de até uma oitava de onça.

O carimbo circular “P. TRANSATLANTICO” aplicado em Portugal nas cartas transportadas pelos navios da General Steam Navigation Company e da General Screw Steam Shipping Company, de 1853 até 1860, era na cor vermelha. O aplicado nas cartas transportadas pelos navios da Royal Mail Steam Packet Company, de 1853 até junho de 1874, era em azul. O usado nas cartas transportadas pela companhias luso-brasileiras de navegação, de 1853 a 1874, era na cor preta.

Com a saída de Lisboa do vapor “D. Maria II”, em 7 de junho de 1854, iniciava-se a linha de Portugal ao Brasil da modesta Companhia de Navegação a Vapor Luso-Brasileira, de acionistas portugueses e brasileiros. Realizando sua viagem inaugural em 30 de maio de 1855, mais um vapor, o “D. Pedro II”, foi incorporado à rota Lisboa–Rio–Lisboa da empresa. A entrada do “D. Pedro II” no Tejo, em 26 de janeiro de 1857, completando sua sexta e última viagem de volta do Brasil, para fazer companhia ao “D. Maria II”, imobilizado em Lisboa desde o ano anterior, assinalaria de maneira melancólica o término das atividades da Luso-Brasileira.

O carimbo “P. TRANSATLANTICO” nas cartas do Brasil para Portugal, transportados pelos navios da Compagnia Transatlantica per la Navigazione a Vapore, italiana de Gênova, Reino da Sardenha, operando correio entre Lisboa e o Rio de Janeiro entre 20 de outubro de 1856 e 20 de agosto de 1857, eram na cor preta.

De outubro de 1858 até janeiro de 1863, o preço das cartas para Portugal, por paquetes subsidiados, de até duas oitavas passou a ser de 150 réis.

A Real Compania Anglo-Lusa-Brasileira iniciou, em outubro de 1859, sua efêmera linha do porto inglês de Milford Haven até o Rio de Janeiro, com escala em Lisboa, S. Vicente de Cabo Verde, Recife e Salvador, e a encerrou em dezembro de 1860.

Depois da entrada em vigor da convenção postal entre o Brasil e França em setembro de 1860, as cartas regidas pela convenção transportadas para Portugal apresentavam franquia reduzida de 60 réis pelo primeiro porto de desembarque e eram obrigatoriamente seladas. Em Portugal recebiam taxa de 150 réis ou seus múltiplos e carimbo “P. TRANSATLANTICO” em lilás ou violeta. As cartas podiam ser franqueadas até o seu destino final – carimbo “PD” – ou franqueadas parcialmente – carimbo “PP” – geralmente até o porto de desembarque. Quando apresentava peso superior a um porte simples – duas oitavas ou 7,5 g – era colocado pelo agente remetente, geralmente no canto frontal superior esquerdo, um algarismo manuscrito referente ao número de portes (2, 3, 4, etc.). Quando os selos não completavam o porte das cartas brasileiras, essas eram consideradas como não-franqueadas e tratadas como tal, segundo o Artigo 5º da Convenção, não podendo de modo algum as taxas francesas grafadas na frente (8 decimes, 16, 24 centimes) serem consideradas como complemento de porte e sim como porte integral a ser pago pelo destinatário. As cartas corretamente franqueadas até o seu destino não podiam, de modo algum, sofrer qualquer taxação que recaísse sobre o destinatário.

A partir de 14 de agosto de 1861, em função da introdução do sistema métrico decimal no Acordo Postal entre Brasil e Portugal, o preço básico das cartas, agora de até 15 g, passou para 160 réis, para correspondências transportadas por navios mercantes. De setembro de 1861 até agosto de 1870, o de cartas até Portugal, por paquetes transatlânticos não-subsidiados continuou a ser de 80 réis, para o peso de até 7,5 g (sistema decimal). De fevereiro de 1863 a agosto de 1871, o das cartas por paquetes subsidiados, até 7,5 g, ficou em 150 réis.

Dentro do acordo postal entre Brasil e Portugal, o preço básico das cartas agora de até 10 g, entre os dois países, transportadas por navios mercantes, passou, em 18 de agosto de 1870, de 160 réis para 100 réis. Na mesma data, o porte das levadas por paquetes transatlânticos não-subsidiados de 80 réis, a partir daí para o peso de até 10 g, continuou até 30 de agosto de 1876. De setembro de 1871 até junho de 1877, o das cartas, por paquetes subsidiados, de 150 réis foi estendido para as cartas de peso até 10 g.

O carimbo “P. TRANSATLANTICO” aplicado em Portugal nas cartas levadas pelos barcos ingleses da Pacific Steam Navigation Company , de 1873 a 1877 era na cor laranja. E o aplicado nas cartas transportadas pelos da Royal Mail Steam Packet Company, a partir de junho de 1874 passaram a ser em verde. O estampado nas cartas levados pelos navios das companhias alemãs desde 1874 era em preto. O dos navios franceses das Messageries Impériales, de 1875 a 1876, passou para laranja. O usado em navios de outra firma, também de capitais franceses, a Compagnie Franco-Americaine, era amarelo.

Entre Brasil e Portugal, o preço básico das cartas, de 100 réis para as correspondências de até 10 g, transportadas por navios mercantes, entre os dois países, passou a valer para as de até 15 g, de 1º de julho de 1876 até 30 de junho de 1877; as de 80 réis para as correspondências de até 10 g, transportadas por paquetes transatlânticos não-subsidiados, na mesma data, foram também estendidas para as de peso até 15 g.

AS RELAÇÕES POSTAIS LUSO-BRASILEIRAS DEPOIS DA CRIAÇÃO DA UPU
No dia 1º de julho de 1877, começaram a vigorar aqui os dispositivos resultantes da entrada do Brasil na então União Geral de Correios (futura União Postal Universal), como a fixação da taxa de 260 réis do regime geral, para as cartas ordinárias de até 15 gramas ou fração, em circulação de um para outro dos países signatários do tratado celebrado em Berna, exceto para aqueles como Portugal e vizinhos da América, para os quais a tarifa postal era inferior à geral da União. Assim, também a partir dessa data, todas as tarifas postais do Brasil para Portugal, independentemente do tipo e do regime do navio transportador, foram unificadas em 50 réis, para correspondências de até 15 g. Desde então, o porte passou a ser pago obrigatoriamente pelo remetente, por meio de selos adesivos, e a carta desse modo franqueada passou a receber em Lisboa o carimbo “FRANCA”. Também a partir de 1º de julho, o carimbo circular “P. TRANSATLANTICO” aplicado, ainda, em Portugal, nas cartas transportadas do Brasil pelos navios de quaisquer companhias, passou a ser na cor preta.

O Decreto nº 7.229, de 29 de março de 1879, fixou em 200 réis o valor do porte para o exterior, inclusive Portugal, equivalente a 25 cêntimos de franco francês, estabelecido pela Convenção Postal Universal de Paris de 1º de junho de 1878.

O Acordo sobre Permutação de Encomendas Postais sem Valor Declarado, entre o Brasil e Portugal, foi firmado em 9 de maio de 1897, no Rio de Janeiro, e referendado pela Lei nº 537, de 17 de dezembro desse mesmo ano.

As tarifas postais de 1º porte para o exterior, Portugal inclusive, a partir no 1º de janeiro de 1922, passaram para 400 réis.

No VIII Congresso da União Postal Universal de Estocolmo, Suécia, de 4 de julho a 28 de agosto de 1924, o Brasil firmou acordo particular com Portugal, reduzindo 50% nas taxas de jornais e livros expedidos pelos editores.

Em 1º de janeiro de 1928, para Portugal, no regime UPU, o 1º porte era de 500 réis; foi reduzido para 400 réis em 23 de janeiro de 1931, e novamente majorado em 11 de maio de 1934, para 700 réis. No dia 1º de janeiro de 1938, passou para Rs. 1$200. Incluído pela primeira vez numa lista de tarifa aérea internacional; o preço das cartas para Portugal era o do 5º grupo (Norte da África e Europa), Rs. 5$400. Antes disso, cada companhia aérea – CGA–Air France, Condor–Lufthansa–Zeppelin – tinha sua tarifa própria.

O Brasil firmou com Portugal acordo postal, a fim de vigorar, nas relações recíprocas dos dois países, as respectivas tarifas postais internas, nas correspondências e encomendas por via de superfície, com início em 3 de maio de 1942, do mesmo modo como já era feito para os países-membros da Upae – União Postal da Américas e Espanha. O porte da carta simples na ocasião era de 400 réis; Cr$ 0,40, após a mudança do padrão monetário para “cruzeiro”, em 5 de outubro daquele mesmo ano.

Até o final desse acordo, em 1976, os preços por que passou a tarifa da correspondência simples para o território nacional e Portugal continental e ultramarino foram os seguintes: Cr$ 0,60, 1º dia do ano de 1949; Cr$ 2,50, em 14 de abril de 1956; Cr$ 8,00, no dia 1º de janeiro de 1962; Cr$ 35,00; em 17 de janeiro de 1966; Cr$ 50,00, partir de 1º de janeiro de 1967, NCr$ 0,05, no padrão “cruzeiro novo” instituído em 13 de fevereiro desse ano; NCr$ 0,10, em 1º de agosto de 1969; Cr$ 0,20, no dia 18 de março de 1971; NCr$ 0,40, em 20 de dezembro de 1972; NCr$ 0,50, em 1º de agosto de 1974; NCr$ 0,70 em 1º de agosto de 1975; e finalmente NCr$ 0,80, em 1º de agosto de 1976.

Em 1º de janeiro de 1977, com o fim do acordo luso-brasileiro, bem como o dos países do regime américo-espanhol, de reciprocidade nas tarifas postais por via de superfície, todos passaram a pagar a tarifa comum dos membros da União Postal Universal, equivalente ao preço de venda de um Coupon Réponse International.

No que diz respeito à correspondência por via aérea, na tabela tarifária de 26 de junho de 1945, Portugal apareceu no 4º grupo, no qual permaneceu ainda depois do reajuste de preços de 1º de janeiro de 1949. A partir de 16 de abril de 1956, foi colocado no 2º grupo, juntamente com os países da América Central e Norte e Espanha, com uma honrosa exceção, no de 1º de janeiro de 1977, quando representou sozinho o 1º grupo, mais privilegiado que o dos nossos vizinhos sul-americanos e outros membros da Upae (2º e 3º grupos).

Além da sua sempre constante presença nas Lubrapex, também foi marcante a participação dos Correios brasileiros, de 19 a 29 de novembro, na 2ª Exposição Mundial Temática Portucale ‘77, do Porto, em Portugal, para qual inclusive lançou especialmente uma série 3 de selos, abordando o tema “Pedras preciosas”, no dia 19, quando de sua inauguração.

Foi organizada pelo Ministério das Relações Exteriores do Brasil e a Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos, em colaboração com os Correios e Telecomunicações de Portugal – CTT, no Salão de Exposições dos Serviços de Filatelia dos Correios Portugueses, em Lisboa, de 26 de janeiro a 4 de fevereiro de 1981, a Exposição Filatélica Comemorativa da Visita Oficial do Presidente da República Federativa do Brasil, João Baptista de Oliveira Figueiredo, a Portugal.

Os Correios brasileiros participaram com grande receptividade da XIII Exposição Filatélica Nacional do Porto, realizada de 15 a 25 de abril de 1983, naquela metrópole do norte de Portugal.

O selo comemorativo do sesquicentenário da morte de D. Pedro (I do Brasil e IV de Portugal), de 24 de setembro de 1984, desenhado pelo artista português Luís Filipe de Abreu, foi uma emissão conjunta de Brasil e Portugal, com lançamento simultâneo nos dois países.

A Empresa Pública de Correios e Telecomunicações de Portugal – CTT e a Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos – ECT firmaram acordo, em 25 de julho de 1989, pelo qual cada empresa em seu país passaria a representar, a partir de então, a outra na comercialização de produtos filatélicos.

Em meio às comemorações do Centenário da Proclamação da República, de 28 de julho a 6 de agosto de 1989, aconteceu no Rio de Janeiro, tendo como palco um dos prédios mais importantes da história brasileira e ao mesmo tempo muito familiar aos Correios, o Paço Imperial (antigo Palácio dos Vice-Reis), a Exposição Filatélica Interamericana, Espanha e Portugal – Brasiliana ‘89.

PORTUGAL NA UPAE: UPAEP
No XIV Congresso da União Postal das Américas e Espanha – Upae, realizado no mês de setembro de 1990, em Buenos Aires, na Argentina, foi aprovado o ingresso de Portugal na União, pela sua condição de “pátria-mãe” do Brasil, de modo similar ao que ocorrera, em 1926, com a incorporação da Espanha. A União Postal Pan-Americana, que depois da admissão da Espanha passara a denominar-se União Postal das Américas e Espanha, em 1931, com a chegada de Portugal, passou a ser União Postal das Américas Espanha e Portugal, não mais Upae, mas Upaep, a partir de então. Cumpre ressaltar que de há muito Portugal tinha por parte do Brasil tratamento preferencial, como se já fosse membro da organização.

Na XIV Exposição Filatélica Ibero-Americana 90 e Exposição de Imprensa e Literatura Filatélica Imprensafil, realizada em Santa Maria da Feira, Portugal, de 7 a 14 de outubro de 1990, os Correios brasileiros participaram com a revista filatélica da ECT, “Correio Filatélico – Cofi”, que recebeu Medalha de Vermeil e Diploma, e também na Classe Oficial, com a coleção “A Tradição e a Cultura Popular Brasileira”.

Em 26 de novembro de 1993, foi constituída a Associação dos Operadores de Correios e Telecomunicações dos Países e Territórios de Língua Portuguesa – Aicep, associação não-governamental e sem fins lucrativos, integrada por 18 operadores de Correios e Telecomunicações de oito países e territórios de língua oficial portuguesa: Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Macau, Moçambique, Portugal e São Tomé e Príncipe.

Teve lançamento solene, no Brasil e em Portugal, no dia 4 de março de 1994, com desenho dos artistas lusitanos Luiz Duran e Carlos Leitão, a emissão conjunta do selo comemorativo do 6º centenário de nascimento do Infante D. Henrique (1394–1460), o fundador da “Escola Náutica de Sagres”, junto ao Cabo São Vicente, ao sul de Portugal, incentivador e iniciador dos empreendimentos marítimos lusitanos.

Os Correios brasileiros participaram oficialmente da 17ª Exposição Filatélica Ibero-Americana realizada, de 20 a 28 de abril de 1996, na cidade de Maia – Portugal.

Os selos comemorativos do 4º centenário da morte do Pe. José de Anchieta e do 3º centenário da do Pe. Antônio Vieira, de 24 de setembro de 1997, desenhados pelo artista português Carlos Possolo e confeccionados em Portugal, foi uma emissão conjunta, em série, de Brasil e Portugal, com lançamento simultâneo, nos dois países.

Durante a XVII Exposição Filatélica Luso-Brasileira – Lubrapex 2000, realizada no Centro de Convenções de Salvador, na capital baiana, entre 11 e 16 de abril de 2000, da qual participou toda a comunidade lusófona, em homenagem aos 500 anos do Descobrimento do Brasil, foi lançada, no dia 11, a emissão conjunta do selo comemorativo da Lubrapex 2000 – Brasil 500, com uma quadra de selos alusivos ao 5º Centenário Descobrimento, desenhada pelo mesmo artista português Luís Filipe de Abreu, do selo de D. Pedro de 1984, simultaneamente, em Salvador, primeira capital do Brasil, e em Belmonte, cidade onde nasceu Pedro Álvares Cabral.

Paralelamente à Lubrapex 2000, ocorreu, também, o VIII Fórum da Associação dos Operadores de Correios e Telecomunicações dos Países e Territórios de Língua Oficial Portuguesa – Aicep, de 12 a 14 de abril. No evento, foram realizados os painéis sobre Lusofonia, Telecomunicações, Multimídia e Correios. Aconteceu também, na capital baiana, o IV Encontro Ministerial e de Administrações dos Correios e de Telecomunicações da Comunidades dos Países de Língua Portuguesa – CPLP, nos dias 13 e 14 de abril.

Assim, as relações postais entre Brasil e Portugal, de que a quarentona Lubrapex é a mais representativa e perene expressão no campo filatélico, é uma realidade que já vai além de meio milênio de história.

BIBLIOGRAFIA
ALBUQUERQUE, Cícero Cavalcanti de. Correio e Legislação Postal Brasileira. 2. ed. Rio de Janeiro: A. Coelho Branco Fº Editor, 1965.

BUENO, Eduardo. A Viagem do Descobrimento: a Verdadeira História da Expedição de Cabral. Rio de Janeiro: Objetiva, 1998. Col. Terra Brasilis, vol. I.

CAMINHA, Pero Vaz de. Carta a El-Rei D. Manuel. São Paulo: Dominus, 1963.

COSTELLA, Antônio. Comunicação – do Grito ao Satélite. 2. ed., São Paulo: Mantiqueira, 1984.

EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELÉGRAFOS – ECT – ASSESSORIA FILATÉLICA DA ECT/DEPARTAMENTO DE FILATELIA DA ECT. Brasília. Correio Filatélico – COFI. Rio de Janeiro: ECT, 1977-2006, nos. 1–200.

MAURO. Frédéric. O Brasil no Tempo de D. Pedro II. São Paulo: Companhia das Letras/Círculo do Livro, 1991.

MIRANDA, Oswaldo de. Os Serviços de Comunicações no Brasil. Rio de Janeiro: Departamento de Imprensa Nacional, 1955.

REIS, Cícero Lopes dos. A História dos Correios no Brasil. Brasília: Ed. Partigo do Autor, 1994.

ROSÁRIO, Irari de Oliveira. Três Séculos e Meio da História Postal Brasileira. Rio de Janeiro: ECT, 1993.

SÁTIRO, Manuel. Taxas dos Correios, in Revista de Correios e Telégrafos. Rio de Janeiro: DCT, 1939, Ano 2, Vol. 2, nº 17, maio 39, pp. 198–203.

SOBRINHO, José Francisco de Paula e EISSLER, Roberto João. Brasil: As tarifas postais de 1888 a 1946, in Mosaico. Belo Horizonte: Câmara Brasileira de Filatelia, 1998–1999, nº 23 – set. 98, pp. 27–45; nº 24 – dez. 98, pp. 17–34; nº 25 – maio 99, pp. 15–30.

SPALLA Editora. Correios no Brasil/The Brazilian Post. Rio de Janeiro: Spalla Editores Ltda. 1990.

TAVEIRA, Carlos Luiz. Um pouco de história do Correio, no Brasil, in Brasil Filatélico. Rio de Janeiro: Clube Filatélico do Brasil, janeiro–março de 1956, Ano XXII, nº 110, pp. 7–14.

TAVEIRA, Carlos Luiz. O Correio Através dos Tempos. Rio de Janeiro: Batista de Sousa, 1959.

VIEIRA, Armando Mário O. Paquetes a Vapor para o Brasil. Porto: Núcleo Filatélico do Ateneu Comercial do Porto, 1991.

_________________

JOSÉ LUIZ PERON – Professor de Filatelia e Comunicação e Expressão da antiga Escola Superior de Administração Postal dos Correios, consultor de Língua Portuguesa e Filatelia da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos, membro do Clube Filatélico do Distrito Federal e da Associação Filatélica e Numismática de Brasília.