GUILHOTINA - O QUE É UMA GUILHOTINA?

A guilhotina é um instrumento utilizado para aplicar a pena de morte por decapitação.

O aparelho é constituído de uma grande armação reta (aproximadamente 4 m de altura) à qual é suspensa uma lâmina triangular pesada (uns 40 kg). A lâmina é guiada à parte superior da armação por uma corda, e fica mantida no alto até que a cabeça do condenado seja colocada sobre uma barra que a impede de se mover. Em seguida, a corda é liberada e a lâmina cai de uma distância de 2,3 metros, seccionando o pescoço da vítima. (As medidas e peso indicados são os das normas francesas).

A guilhotina foi uma espécie de homenagem ao médico e deputado Joseph-Ignace Guillotin (1738-1814), que considerava este método de execução mais humano do que o enforcamento ou a decapitação com um machado. Na realidade, a agonia do enforcado podia ser longa, e certas decapitações a machado não cumpriam seu papel ao primeiro golpe, o que aumentava consideravelmente o sofrimento da vítima. Guillotin estimava que a instantaneidade da punição era a condição necessária e absoluta de uma morte decente.

Mas não foi ele o inventor desse aparelho de cortar cabeças, usado muitos séculos antes. Guillotin, na verdade, apenas sugeriu sua volta na Revolução Francesa como eficiente método de execução humana. O aparelho serviu para decapitar 2794 "inimigos da Revolução" em Paris.

No primeiro projeto de guilhotina havia uma lâmina horizontal. Foi o doutor Louis, célebre cirurgião da época, que preconizou, em um relatório entregue em 7 de março de 1792, a construção de um aparelho a lâmina oblíqua, única maneira de matar todos os condenados com certeza e rapidez, o que era impossível com uma lâmina horizontal.

Guilhotinados Célebres (França)
  • 25 de abril de 1792 o operário Nicolas Jacques Pelletier foi o primeiro condenado à guilhotina.
  • 21 de janeiro de 1793 : Louis XVI, ex-rei da França
  • 16 de outubro de 1793 : Maria-Antonieta da Áustria, ex-rainha da França
  • 5 de abril de 1794 : Georges-Jacques Danton
  • 28 de julho de 1794 (10 Termidor do ano II), Maximilien de Robespierre.
  • 25 de fevereiro de 1922 : Henri Landru, assassino de dez mulheres e de um menino.
  • 17 de junho de 1939 : Eugen Weidmann, assassino de seis pessoas (última execução pública na França)
  • 25 de maio de 1946 : Marcel Petiot, assassino de pelo menos 27 pessoas.
  • Novembro de 1972 : execução de Claude Buffet e Roger Bontemps (por seqüestro seguido do assassinato dos seqüestrados).
  • 28 de julho de 1976 : execução de Christian Ranucci, acusado de matar uma criança.
  • 10 de setembro de 1977 : última execução, a de Hamida Djandoubi pela tortura seguida do assassinato de uma menina.

Estas três últimas execuções contribuíram a por um fim à pena de morte na França, que foi abolida em 1981 pela Assembléia Nacional sob proposta de François Mitterrand e Robert Badinter. Em particular a de Christian Ranucci, pois certos elementos sugeriam que ele fosse talvez inocente do crime pelo qual fora acusado e condenado.